31.3.16

Pãezinhos fofos

Longe de ser a receita de pão mais bonita que já fiz, aproveitei a oportunidade para partilhar convosco este exemplo de que nem sempre corre tudo bem por estes lados.
Esta receita [do livro "Bimby - Dicas, Truques e etc."] apesar de ter ficado óptima de sabor, deveria ter outro aspecto mais perfeitinho. E o que correu mal?, perguntam vocês.

Sempre que deixo as massas a levedar, tapo-as com película aderente para evitar que sequem e criem uma crosta. Acontece que esta massa cola mais do que o habitual e, embora já tivesse passado pelo mesmo no primeiro momento em que foi a levedar, na segunda levedação a película voltou a colar.
Problema: na levedação final os pães já estão moldados no formato em que vão ao forno e não se volta a mexer na massa... Ou seja, quando tentei tirar a película estava tudo colado e, conforme puxei, a massa veio atrás. Em vez de continuarem uns pães redondinhos e bonitos, ficaram achatados e cheios de imperfeições. A sorte é que foi só mesmo a parte estética que ficou afectada, de sabor estavam uma maravilha!

Aviso já que não são propriamente os pães mais saudáveis [esta receita leva natas e açúcar]. É só mesmo para fazer de vez em quando.


PÃEZINHOS FOFOS
[Rende 16 unidades]


Ingredientes:
- 150g leite, mais q.b. para pincelar - usei Alpro soja
- 100g natas
- 50g açúcar
- 25g fermento padeiro fresco - substituí por 2 colheres de chá de Fermipan
- 400g farinha tipo 65, mais q.b. para polvilhar
- 100g farinha tipo 55
- 1 colher de chá de sal
- 2 ovos

Preparação:
1. Coloque no copo o leite, as natas, o açúcar e o fermento e aqueça 2 min/ vel. espiga
2. Adicione as farinhas, o sal e os ovos e amasse 3 min/ vel. espiga. Retire para um recipiente polvilhado com farinha e deixe levedar cerca de 40 minutos ou até a massa dobrar de volume.
3. Numa superfície enfarinhada divida a massa em 16 partes, molde pequenas bolas, coloque num tabuleiro com aproximadamente 30x30 cm forrado com papel vegetal e pincele com leite. Deixe levedar cerca de 30 minutos.
4. Leve ao forno pré-aquecido a 180° cerca de 15 minutos. Retire e deixe arrefecer sobre uma rede.


NOTAS DA FORMIGA:
- Assim que ligar o forno, coloque no fundo um recipiente com água previamente fervida e mantenha-o até ao final da cozedura.

30.3.16

Cães com pulgas

Quem tem animais de estimação sabe que uma das preocupações a ter em conta são os vários tipos de bichos que eles atraem, com maior probabilidade nas estações mais quentes, podendo no entanto acontecer em qualquer época do ano. E foi exactamente o que se passou aqui em casa... Cães com pulgas em pleno Inverno.

Começo por explicar que tenho aversão a tudo o que são bichos que se propagam à velocidade da luz. Aparecem num ápice e, primeiro que se consiga acabar com eles, podem transformar a nossa vida num inferno. Claro que as histórias que ouvi de pessoas que tiveram pragas em casa também não contribuíram para ficar descansada.

Mas voltando às pulgas... Acredito que o problema começou numa cama de tecido que nos foi oferecida e que, embora estivesse como nova, já tinha sido usada por outro cão. Aos primeiros sinais de comichões, recorri, como sempre, às pipetas de Advantix mas pela primeira vez não resultaram. E agora?? Falo com a veterinária que recomenda uns comprimidos infalíveis - e caros como tudo mas que duram para 3 meses - e uma série de outros cuidados para evitar a propagação da espécie aqui por casa.

Se é verdade que numa manhã gastei mais dinheiro com dois mini-cães do que gasto comigo, também é certo que o problema ficou mesmo resolvido [e só por isso, pagava o que fosse preciso]. 
Apesar de não termos tido nenhuma praga, percebi que isso acontece com mais frequência do que imaginamos e o que determina o grau do problema é a rapidez com que agimos. Por isso mesmo, se alguma vez vos acontecer, partilho aqui a solução para o caso dos cães.


Do que vão precisar:

• 1 comprimido Bravecto [de acordo com o peso do cão] à venda em veterinários ou lojas de animais - até 10 Kg custaram 26€/cada


• 1 Spray para a casa - comprei Biokill no supermercado


• 1 coleira anti-parasitária [caso tenham aspirador de saco] - comprei a mais barata que encontrei no supermercado. Era para gato e custou perto de 5€.


Instruções:

1. Dar o comprimido ao cão [os meus são muito esquisitos e comeram como se fosse uma guloseima]. De acordo com as informações da veterinária, as pulgas morrem no espaço de uma hora. A parte boa é que não precisamos de nenhum tratamento externo, uma vez que este comprimido também serve para o caso das pulgas já terem depositado ovos no cão.

2. Borrifar com o spray todas as áreas onde os nossos amigos andam. Chão, sofás, cama... Deixar repousar uma hora, não permitindo que durante este período eles andem nos espaços onde foi aplicado o produto [durante este tempo deixei as janelas abertas].

3. Ao fim de uma hora, colocar a coleira antiparasitária dentro de um saco de aspirador novo, aspirar muito bem as áreas onde colocámos o spray, retirar o saco do aspirador e colocar imediatamente num saco do lixo. Fechar e deitar no contentor.
Eu desconhecia, mas um dos problemas deste tipo de pragas pode estar exactamente nos aspiradores de saco. Se por acaso aspirarmos ovos e eles eclodirem no saco, será mais um local de propagação.

4. Lavar na máquina em água bem quente todas as roupas, mantas ou camas de tecido do cão, e ainda tecidos que tenham estado em contacto com eles [por exemplo, capas de sofá].

5. Aproveite e dê um banho ao seu amigo de 4 patas.


NOTAS DA FORMIGA:

- A título de curiosidade, podem ler aqui um artigo sobre o ciclo de vida da pulga, que nos leva a compreender a importância de agirmos com rapidez, tratando os animais [cães ou gatos] e os ambientes de forma eficaz.

- Estejam sempre atentos aos sinais dos vossos amigos de 4 patas. Se os virem a coçar-se frequentemente, percam algum tempo a ver o que se passa. O ditado já é velho... "Onde há fumo, há fogo".

29.3.16

Waffles com alpro soja


No meu mundo ideal, adorava que fosse possível fazer todas as receitas menos saudáveis de forma saudável e que no fim soubessem exactamente ao mesmo. Não me refiro às versões modernas de receitas tão típicas como a mousse de chocolate, onde todos os ingredientes originais desaparecem, dando lugar a outros que alteram em tudo o sabor [apesar das pessoas jurarem a pés juntos que não se nota nada...].

O meu grande desafio é encontrar produtos mais saudáveis que substituam os convencionais sem que alterem o sabor final da receita. Por outras palavras, se me apetece waffles, no final é isso que eu tenho de comer e não uma espécie de bolo muito saudável onde a única coisa que tem de waffle é o formato. Para isso, gosto de ir fazendo experiências de forma a perceber o que resulta ou não e hoje aproveitei esta receita para substituir o leite de vaca por leite de soja da Alpro. No final, não notámos diferença nenhuma.

Com excepção de alguns casos como o béchamel, onde a gordura do leite de vaca é que dá consistência ao molho [nada que não se contorne com maizena], existem inúmeras receitas onde esta substituição pode ser feita de igual forma garantindo os mesmos resultados. Posso dizer-vos que nos últimos dias fiz várias receitas substituindo o leite de vaca por Alpro soja e o resultado ficou sempre excelente. Desde vários tipos de massas a bolos, não houve nada que não tivesse corrido bem.

Strogonoff no forno com cogumelos e batata doce

Nos dias que se seguiram à minha semana passada na cama, a vontade para cozinhar continuava em banho-maria... Pouca energia e muita tosse não combinavam com muito tempo na cozinha e por isso as minhas incursões a esta divisão foram sempre ao estilo Speedy Gonzalez!

Foi num desses momentos, em que despachei o jantar a grande velocidade, que saiu este strogonoff. Neste caso utilizei peru mas, uma vez que acompanha com batata doce e cogumelos, poderão substituir por uma alternativa a gosto [especialmente se forem vegetarianos].


STROGONOFF NO FORNO COM COGUMELOS E BATATA DOCE
[Rende 4 doses]


Ingredientes:
- 2 bifes de perú grandes cortados em strogonoff [poderá usar frango ou uma alternativa vegetariana]
- 500g batata doce cortada em cubos
- 300g cogumelos frescos cortados em quartos
- 1 pacote de natas de coco Alpro [ou natas normais - neste caso, dispensa o sumo de lima]
- Sumo de meia lima
- Azeite
- Sal
- Pimenta
- Tomilho

Preparação:
1. Pré-aqueça o forno a 200º
2. Coloque num pyrex o strogonoff, a batata doce e os cogumelos. Regue com azeite e tempere com sal, pimenta e tomilho. Envolva com a ajuda das mãos.
3. Numa taça, misture as natas de coco com o sumo de lima e adicione aos os restantes ingredientes envolvendo bem.
4. Leve ao forno cerca de 40 minutos ou até a batata doce estar macia, mexendo a meio da tempo.

28.3.16

Massa de brioche

Sou da opinião que a cozinha é um excelente local para trabalharmos a criatividade e se há coisa que me dá gozo é fazer experiências com massas lêvedas. Gosto de lhes dar diferentes formatos e da expectativa de ver o resultado quando saem do forno.

Esta Páscoa não me apeteceu fazer o típico folar, estava antes com vontade de inventar algo com massa de brioche. Escolhi esta receita e com cerca de 250g de massa saiu uma espécie de mini folar sem o tradicional ovo no meio e com a restante fiz pães; uns simples, outros com pepitas de chocolate e ainda uns açucarados.


MASSA DE BRIOCHE


Ingredientes para a massa fermento:
- 100g farinha (tipo 55)
- 30g fermento fresco ou 11g fermento seco - usei uma saqueta de Fermipan
- 60g leite - usei Alpro soja

Ingredientes para a 2ª massa:
- 500g farinha (tipo 55)
- 100g açúcar
- 100g margarina à temperatura ambiente - usei manteiga dos Açores
- 40g leite - usei Alpro soja
- 130g água
- Baunilha q.b.
- 10g licor (a gosto, tipo anis) - não coloquei

Preparação da massa fermento:
1. Coloque no copo todos os ingredientes e programe 2 min/ vel. espiga. Irá fazer uma massa de fermento. Retire e reserve durante cerca de 10 minutos ou até duplicar o tamanho.

Preparação da 2ª massa:
2. Coloque no copo todos os ingredientes para esta massa e programe 3 min/ vel. espiga. Verifique se a massa descola das paredes do copo. Se estiver bem ligada e a descolar, junte a massa fermento reservada e programe mais 3 min/ vel. espiga.
3. Retire a massa para um tabuleiro polvilhado com farinha e deixe levedar cerca de 40 minutos ou até dobrar de volume.
4. Molde a massa no formato pretendido e coloque num tabuleiro de forno forrado com papel vegetal. Deixe levedar cerca de 30 minutos.
5. Pré-aqueça o forno a 180º. Pincele os pães com ovo batido, borrife com água e leve ao forno cerca de 30 a 40 minutos [dependendo do formato dos pães].



DICAS DA FORMIGA:
Como já referi noutras receitas de massas, existem alguns truques para que os pães permaneçam fofos mesmo depois de arrefecerem. 
- É fundamental que a massa fique a levedar num local morno e sem correntes de ar.
- Assim que ligo o forno, coloco um recipiente no fundo e adiciono água previamente fervida no jarro, para criar humidade no seu interior [manter o recipiente até ao final da cozedura].
- Antes de colocar os pães no forno, borrifo-os com água.

23.3.16

Índice de Receitas - Revista Bimby nº 64 (03/2016)


ENTRADAS

• Bolachas salgadas de queijo e mostarda

SOPAS

• Duas sopas de alho
• Duas sopas de abóbora e couves-de-bruxelas
• Duas sopas de feijão branco

PRATOS DE PEIXE

• Arroz de pescada com alho-francês
• Crepes de sapateira com legumes
• Empadão de bacalhau e batatas a murro
• Sabores mediterrâneos com purê de batata-doce

PRATOS DE CARNE

• Empadão de couve-flor
• Empadão de pato com alheira
• Empadões de carne picada com purê de favas
• Ensopado de borrego
• Linguini com ervilhas e fiambre
• Lombinho de borrego com crosta de ervas e puré de beterraba
• Piza de espargos e ervilhas com ovo estrelado

PRATOS VEGETARIANOS

• Empadão de cogumelos e castanhas
• Empadão vegetariano

BOLOS E SOBREMESAS

• Biscoitos de aveia e amêndoa
• Bolo de banana e goji
• Bolo de chocolate coberto com ganache de chocolate
• Bolo de requeijão e citrinos
• Bolo quente de brigadeiro
• Broas de cenoura
• Folar de Olhão
• Panquecas com creme de avelã
• Pão-de-ló de chocolate
• Pão-de-ló de Vizela
• Pudim de queijo de São Jorge
• Soufflés de laranja
• Tarte de limão com raspas de chocolate
• Trifle de bolacha com creme de chocolate e leite condensado
• Trufas de chocolate branco

PÃES

• Folar de Valpaços
• Pães-de-leite
• Pão de brioche sem glúten

All I want is health!


Quando era pequena e ouvia um adulto dizer que a única coisa que pedia era saúde, ficava sempre com a impressão que o fazia porque aquela era a resposta correcta, quase ao nível da miss que deseja a paz no mundo.
À medida que os anos passaram, rapidamente me apercebi que afinal aquele único desejo dos adultos fazia algum sentido... A verdade é que sem saúde dificilmente atingimos os nossos objectivos pessoais e profissionais e, por estar cada vez mais consciente desta realidade, tenho vindo a mudar alguns hábitos, nomeadamente no que diz respeito à alimentação. 

A minha ausência do blog deve-se à proeza de ter tido uma gripe, uma amigdalite aguda e uma faringite em simultâneo. Primeiro erro: achar que isto passa e esperar demasiado tempo para ir ao médico. Passados alguns dias e já no limite da dor, fui directamente para as urgências onde me deparei com este diagnóstico "leve 3 pague 1". Levei uma injecção de penicilina, livrei-me de ficar a soro graças ao iogurte que consegui beber e passei mais uns dias em penitência uma vez que só ao fim de 48h é que a penicilina começa a fazer efeito. Alimentação à base de sopas e líquidos [a única coisa que eu conseguia comer] e, pelo meio, ibuprofeno e paracetamol em doses superiores ao desejável, um mal necessário no meio do desespero. Ao mesmo tempo, recorri a todas as "mézinhas caseiras" de que me lembrei e que me sugeriram mas o mal estava feito e esta combinação 3 em 1 foi sempre mais forte. Se isto fosse um jogo, diria que levei uma verdadeira "abada"!

Ao longo destes dias intermináveis, tive ainda mais consciência de como a saúde é fundamental. Queixamo-nos frequentemente de demasiadas coisas; do tempo, do trabalho, das contas para pagar, da fila do supermercado, das segundas-feiras... Mas quando passamos uma semana na cama sem grande noção se está a chover ou a fazer sol, privados da energia necessária para conseguir ir trabalhar [aquilo que nos permite pagar as contas], desejosos de ter forças para tarefas básicas como cozinhar ou ir fazer as compras da casa e sem voz para conseguir sequer falar, percebemos que é um erro darmos todas estas coisas como garantidas no dia-a-dia.

Felizmente, este foi um episódio sem grande importância e fácil de resolver. Apesar de ainda não estar a 100% e com algumas limitações, confesso que me custou ter ficado tão condicionada durante vários dias. Mas este tempo serviu também para reflectir... Se por um lado estamos sempre sujeitos a contrair algum tipo de doença viral, por outro também há muitas outras doenças que podemos evitar. O segredo está na prevenção. E por isso, interiorizei que este ano vou preparar melhor o meu organismo para enfrentar as adversidades das várias estações [já estou a reunir algumas dicas para partilhar convosco num outro post]. 

Pensem nisto: o nosso corpo é o único lugar onde temos de viver para sempre.

9.3.16

Cestinhos de aveia e banana

Há uns dias vi este vídeo no facebook que ensinava a fazer cestinhos de aveia e banana [nome original: breakfast granola cups] de uma forma tão simples que resolvi experimentar. Fiz apenas metade da receita - rendeu 6 unidades - e servi com iogurte de amêndoa da Alpro. Em falta ficaram os frutos vermelhos que farão certamente a diferença tanto na apresentação como no sabor.
Uma receita para repetir!


CESTINHOS DE AVEIA E BANANA
[Rende 12 unidades]


Ingredientes:
- 2 bananas
- 100g mel
- 125g flocos de aveia
- 1 colher de chá de canela
- 1 pitada de sal

Preparação:
1. Coloque as bananas numa taça e esmague com a ajuda do garfo.
2. Adicione o mel e mexa até obter uma mistura homogénea.
3. Coloque numa segunda taça a aveia, a canela e o sal. Misture.
4. Junte à aveia a banana com o mel e mexa.
5. Coloque cerca de 2 colheres de sopa em cada forminha e molde com as mãos.
6. Leve ao forno a 180º cerca de 15 minutos.

Sirva com iogurte e decore com frutos vermelhos.

7.3.16

Pão de abóbora - experiências

Já tinha publicado anteriormente a receita do pão de abóbora e, tal como referi na altura, uma vez que o resultado ficou muito aproximado do pão de leite [tanto a nível de sabor como de textura], da próxima vez que o fizesse iria experimentar num formato semelhante.

Este fim-de-semana aproveitei para repetir a receita e, uma vez que a massa rende bastante, aventurei-me em três versões diferentes: fiz quatro bolinhas de 100g cada e dividi a restante quantidade por mais dois pães; uma espiga, tal como na receita original, e outro pão num formato torcido [o que saiu na altura enquanto brincava com a massa]. 

O resultado foi um sucesso em todos os formatos! De sabor estavam óptimos e a espiga ficou muito mais perfeitinha do que na primeira tentativa.


PÃO DE ABÓBORA


Ingredientes:
- 90g água
- 400g abóbora, cortada em pedaços
- 75g leite - usei leite vegetal Alpro soja
- 1 saqueta de Fermipan
- 1 ovo
- 40g manteiga à temperatura ambiente
- 60g açúcar - substituí por rapadura integral
- 1/2 colher de chá de gengibre em pó (opcional) - não utilizei
- 1/2 colher de chá de cardamomo em pó (opcional) - não utilizei
- 550g farinha tipo 65, mais q.b. para polvilhar
- 1 colher de chá de sal
- 1 gema de ovo para pincelar

Preparação:
1. Coloque no copo 40g de água e a abóbora e coza 15 min/ 100º/ vel. 1
2. De seguida triture 10 seg/ vel. 7. Retire e reserve.
3. Coloque no copo 50g água, o leite e o fermento e aqueça 1 min/ 37º/ vel. 1
4. Adicione 150g do puré de abóbora reservado, o ovo, a manteiga, o açúcar, o gengibre e o cardamomo (opcionais) e misture 15 seg/ vel. 5
5. Adicione a farinha e o sal e amasse 1 min 30 seg/ vel. espiga, envolvendo com a espátula através do bocal da tampa. Retire e deixe levedar num local morno cerca de 50 minutos ou até a massa dobrar de volume.
6. Pré-aqueça o forno a 180º. Forre um tabuleiro de forno com papel vegetal e polvilhe com farinha. Molde a massa no formato pretendido [caso pretenda fazer a espiga, poderá ver as instruções aqui].
7. Deixe levedar cerca de 30 minutos ou até dobrar de volume. Pincele com a gema e leve ao forno a 180º cerca de 30 minutos ou até dourar.



NOTA DA FORMIGA: 

Segredos para fazer um bom pão 

- Deixar a massa a levedar num local morno e sem correntes de ar [por exemplo, dentro do forno desligado] e colocar película aderente a tapar o recipiente, de forma a evitar que a massa seque e forme uma "crosta".

- Assim que ligar o forno, coloque um recipiente com água quente no seu interior e mantenha-o até ao final da cozedura. Desta forma, irá criar humidade no forno, necessária para manter o pão macio mesmo depois de arrefecer.




5.3.16

Parceria Gradirripas


Sou apologista que devemos dar prioridade aos produtos portugueses de boa qualidade e fico particularmente satisfeita quando lá fora reconhecem o valor do que é nosso.
As tábuas de madeira Gradirripas já existem há várias décadas mas foi através de Jamie Oliver que se popularizaram. Fã da sua qualidade e utilizador frequente, Jamie comercializa ainda uma linha com a sua assinatura, produzida pela marca em Portugal.


Esta empresa familiar com ligações ao sector há mais de dois séculos, reinventou-se em 2006 e os actuais proprietários fazem parte da quinta geração de uma família tradicionalmente ligada à produção de artigos em madeira.


Uma das preocupações da empresa é a produção sustentável, para a qual contribuem através de novas plantações em substituição das árvores abatidas para a indústria.

A Gradirripas é agora parceira da Formiga Amiga e fez-me chegar um conjunto de três tábuas acompanhado de cinco utensílios igualmente em madeira. Uma simpática oferta para a confecção e apresentação das minhas receitas.


Para conhecerem mais sobre a Gradirripas, poderão consultar o site ou a página de facebook.

3.3.16

Alpro - produtos de origem vegetal


Ontem recebi este maravilhoso cabaz de produtos, gentilmente enviado pela Alpro. Fiquei muito contente com esta oferta pois cada vez mais tento substituir produtos de origem animal, sempre com a preocupação de escolher alternativas saborosas que mantenham as receitas aproximadas das suas versões originais. E nesse aspecto, a Alpro é uma excelente alternativa!

Esta é uma marca que já todos devem conhecer, nem que seja de ver no supermercado. A sua gama é muito variada [especialmente no que diz respeito às alternativas ao leite de vaca] e composta exclusivamente por produtos de origem vegetal como bebidas, alternativas ao iogurte e às natas, sobremesas e cremes para barrar e cozinhar. 

Se ainda não estiverem familiarizados com a utilização destes produtos e precisarem de inspiração, podem começar por consultar as receitas do site da Alpro aqui. Muito em breve também eu irei publicar algumas sugestões. Fiquem atentos!