25.5.17

Com que frequência devemos limpar tudo o que temos em casa?

As semanas passam a correr e, no meio da confusão dos dias, é muito frequente perdermos a noção do tempo. Quantas vezes damos por nós a tentar pensar qual foi a última vez que realizámos determinada tarefa? O mais comum é já a termos feito há demasiado tempo, pensando que foi apenas há meia dúzia de dias...

Numa tentativa de me organizar com as tarefas da casa, tornando-me numa verdadeira fada do lar, fui à procura de respostas para [quase] tudo o que é preciso limpar. Cheguei à conclusão que, no meio de tanta informação, a melhor forma de não perder o rumo é saber a frequência com que devo realizar as tarefas domésticas e anotar de cada vez que as concretizar. Assim já não há desculpa para não me lembrar da última vez que as fiz.

Claro que os resultados para esta pesquisa se baseiam numa utilização diária de todas as divisões da casa. No entanto, há que ter em consideração que a frequência com que devemos realizar cada tarefa poderá variar consoante o agregado e a realidade de cada família. Um bom exemplo disso é quando há animais em casa, pois nesse caso o intervalo entre as limpezas pode ser significativamente menor.
Mesmo que tenha empregada e que esta informação não lhe interesse directamente, será sempre útil saber orientá-la nas lides da sua casa.


FREQUÊNCIA COM QUE DEVEMOS REALIZAR AS LIMPEZAS DOMÉSTICAS

Imagem retirada do Pinterest

 SALA 

• Limpar o pó - 1 vez por semana
Aspirar chão e tapetes - 1 vez por semana
• Aspirar sofás de tecido - 1 vez por mês [se tiver cães que andem no sofá, deverá aspirar semanalmente]
• Capas de almofadas do sofá - de 2 em 2 meses
• Lavar cortinas - 1 a 2 vezes por ano
Alcatifas ou tapetes grandes - Limpeza profissional a cada 6 ou 12 meses

 COZINHA 

• Bancadas - Diariamente
• Chão - 1 a 2 vezes por semana
• Frigorífico - 1 vez por mês
• Lavar fogão - Sempre que for usado
Forno - 1 vez por mês (se for usado regularmente) ou a cada 2 meses
• Microondas - Semanalmente
• Móveis (por dentro) - de 2 em 2 meses
• Móveis (por fora) - de 15 em 15 dias
Panos da loiça / mãos - Trocar todas as semanas
Tapetes - Lavar a cada 15 dias
Vidros - Mensalmente
Caixote do lixo - 1 vez por semana
Máquina de lavar loiça - Fazer uma lavagem mensal, sem loiça na máquina.
Máquina lavar roupa - Lavar os compartimentos do amaciador e do detergente sempre que estes começarem a acumular resíduos. Verificar no manual de instruções da máquina a frequência com que deverá fazer uma lavagem de manutenção do seu interior (algumas máquinas têm o programa "auto clean") e se o modelo da sua máquina tem o filtro amovível para que o possa limpar manualmente.

 QUARTO 

Roupa de cama - Trocar semanalmente [nunca passar os 15 dias]
Limpar o pó - Semanalmente
• Limpeza do chão - 1 vez por semana
Limpeza do colchão - a cada 2 meses
Tapetes - sacudir e/ou aspirar semanalmente

 WC 

Limpeza profunda - 1 vez por semana
Trocar toalhas - Todas as semanas
Lavar tapete de banho - 1 vez por semana
Armários - 1 vez por mês
Espelhos - Semanalmente

 ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO 

Escovagem - 1 vez por semana
Mantas - lavar semanalmente
Cama de tecido - Mensalmente
Comedouros [comida seca] - Semanalmente
Comedouros [comida húmida] - Diariamente
Bebedouro - 1 vez por semana

 OUTROS 

Vidros - Mensalmente
Hidratar madeiras - Mensalmente
Ar condicionado - cada 6 meses
Lareira - No final do Inverno
Teclado computador - Semanalmente [virar ao contrário para retirar as impurezas. Limpar com um desinfectante e usar um cotonete com a mesma solução para passar entre as teclas]. 


Ter uma casa limpa e arrumada, contribui para o bem de estar dos que nela habitam, previne a proliferação de bactérias e promove a conservação dos espaços. Caso não seja um(a) fã das lides da casa e não tenha empregada, o segredo é tentar fazer um pouco todos os dias de forma a não deixar acumular demasiado trabalho.
Por outro lado, se acha que tem muita "tralha" em casa da qual poderia perfeitamente abdicar, tornando a tarefa de limpar mais fácil, espreite este post para ter uma ideia de como começar a simplificar.

11.5.17

Esparguete integral com pesto de rúcula e frutos secos

Depois de algum tempo sem partilhar receitas, aqui estou eu de volta. Desta vez, com o pesto de rúcula e frutos secos que experimentei na semana passada e cuja fotografia partilhei nas redes sociais.
A receita não é minha, tirei do Mundo de Receitas Bimby, e fiz apenas uma alteração: em vez de utilizar apenas amêndoas, como na receita original, substituí por uma mistura de frutos secos. Acompanhei com esparguete integral e posso dizer-vos que rendeu bastante, uma vez que duas ou três colheres de sopa de pesto são o suficiente para cada pessoa. O que sobrar, pode sempre conservar no frigorífico para utilizar no espaço de um mês (ver notas).


PESTO DE RÚCULA E FRUTOS SECOS


Ingredientes:
- 150 g azeite
- 50 g queijo parmesão
- 1 dente de alho
- 30 g de frutos secos (utilizei uma mistura de amêndoas, nozes e avelãs)
- 80 g rúcula
- Sal q.b.

Preparação:
1. Pese o azeite e reserve.
2. No copo coloque o queijo em pedaços e rale 15 seg/ vel. 9
3. Adicione o alho, os frutos secos, a rúcula, o sal e programe 15 seg/ vel. 9
4. De seguida, com o copo de medida colocado na tampa e a Bimby em funcionamento na vel. 5, deite o azeite sobre a tampa.
5. Deve ficar um molho homogéneo, semelhante à maionese.


NOTAS:
- Deve ser conservado num frasco previamente esterilizado e com o molho coberto com azeite.
- Mantém-se fresco durante um mês no frigorífico.


DICA DA AUTORA DA RECEITA:
Sirva com esparguete ou outro tipo de massa, se desejar mais líquido acrescente 2 c. sopa de água de cozer a massa antes de servir.

25.4.17

Um desabafo e uma pergunta... O que gostariam de ver na Formiga Amiga?


Quem segue a Formiga Amiga, já deve ter reparado que o blog tem andado em banho-maria... A verdade é que, com a minha saída da Vorwerk, comecei a questionar o sentido de dedicar este blog quase por inteiro a uma marca que já não represento. No hard feelings, mas parece-me legítimo pensar desta forma... Continuo a adorar este robot de cozinha, presença diária e fundamental na minha cozinha, mas nunca escondi o meu descontentamento em relação ao resto.

Por outro lado, e para todos os efeitos, este blog sempre foi maioritariamente sobre a Bimby, o que me deixou com sérias dúvidas na hora de decidir o que fazer a seguir. A Formiga Amiga surgiu como uma forma de estar mais próxima dos meus clientes, o que acabou por chamar muitas outras pessoas que não conheço pessoalmente. Até que ponto é que faz sentido mudar o tema principal?

Decidi que o melhor mesmo era saber a vossa opinião. Chegou a hora de vos perguntar o que gostam no blog, o que posso melhorar ou que temas gostariam de ver abordados.

Quem dá uma ajuda à Formiga?

2.4.17

Rissóis de camarão do Pingo Doce - lista de ingredientes


Poderiam ser apenas uns rissóis de camarão - neste caso, do Pingo Doce - à partida, pouco saudáveis por serem fritos. Mas será mesmo esse o maior problema?

Sugiro que leiam atentamente a lista de ingredientes... Pelo meio poderão encontrar 16 E's, gorduras hidrogenadas como a de palma, dextrose, açúcar e glutamato monossódico, um intensificador de sabor altamente prejudicial à saúde, presente na composição de temperos como os caldos Knorr [e que, resumidamente, faz com que todos os pratos que levem este cubinho saibam ao mesmo].

São exemplos como este que nos devem fazer pensar seriamente na importância de ler os rótulos. Afinal, consumidores informados fazem escolhas mais conscientes.

SaveSave

24.3.17

O que acontece com o Cook-Key depois dos 6 meses gratuitos?


Esta foi a pergunta que muitos clientes (e agentes) fizeram quando adquiriram o Cook-Key: o que é que ia acontecer quando terminasse a oferta dos 6 meses de utilização gratuita do portal de receitas Cookidoo?

Na altura do lançamento do Cook-Key - ainda eu trabalhava na Bimby - questionámos quem de direito. Informaram-nos que, quando terminassem os 6 meses, os clientes não iriam conseguir aceder às receitas do portal (excepto às que já eram suas anteriormente) nem às que tinham guardado no Cook-Key, mesmo que não o sincronizassem através de wi-fi com o portal.

"Como é que isso é possível?", perguntávamos nós... Como é que a Vorwerk ia conseguir controlar o que estava na memória do Cook-Key (que no fundo, funciona como uma espécie de pen) se este não voltasse a ser sincronizado com o portal?
As respostas não convenceram por isso resignei-me ao facto de que só iria descobrir quando terminasse o meu período experimental, o que aconteceu no passado dia 6 de Março.


Tal como eu previa, continuo a conseguir utilizar as receitas que guardei no Cook-Key. Ainda não o voltei a sincronizar, pois aí sim, irei perder o acesso ao que guardei até que volte a pagar a anuidade.

Já no portal, as receitas que eu adicionei às minhas listas e que não fazem parte da minha biblioteca, passaram a aparecer com um tom esbatido e já não consigo ter acesso às mesmas.



A ANUIDADE COMPENSA?

A minha opinião é de que sim, compensa, mas só se for realmente para tirar partido desta ferramenta. É verdade que são 36€ anuais (ou 3€ por mês) mas, no meu caso, deixei de comprar a revista mensal que custa agora 2,90€ e por mais 0,10€/mês passo a ter acesso a milhares de receitas nacionais e internacionais. O portal do Cookidoo existe em vários países, como Espanha, França ou Itália, e podemos aceder a todos eles - que têm receitas diferentes das nossas - desde que o nosso plano esteja activo.

No que diz respeito ao Cook-Key, claro que se eu não o sincronizar com o portal, continuo a poder utilizar as receitas que lá estão mas qual é o sentido de ter um acessório de 99€ (129€ a partir de 01 de Abril) e não poder tirar partido a 100%?

Para terminar, e ainda sobre as revistas, descobri que a Vorwerk passou a disponibilizá-las igualmente no portal mas, para quem não tem o plano do Cookidoo activo, caso pretenda adquirir uma revista em formato digital, terá de pagar a módica quantia de 8,99€ (??)
Também não era preciso exagerar...


SaveSave
SaveSave